domingo, outubro 18, 2009

Um livro que é uma provocação legítima



REGRESSO
Não fugi à guerra, não fui para Paris
não fugi da terra, não traí o povo,
eu fui ao combate debaixo do Sol
e voltei de novo.
Posso aquecer-me com o Sol mais quente
que me enche as veias, vinho de raíz,
não se vai à guerra e volta de novo
sem se sentir dentro a voz do país.
Posso agora olhar, olhar descansado,
as belas moçoilas, bordando ao luar
sinais de conjuro para o namorado
um dia voltar
E posso falar, falar compassado,
com o homem velho que me disse um dia:
“se eu tivesse agora a tua idade
era eu quem ia”.
.....................João Conde Veiga


Desde 1961
, ao longo de pouco mais de treze anos de campanha em três teatros de operações, as Forças Armadas mobilizaram centenas de milhar de jovens portugueses para defender a soberania portuguesa, num esforço humano enorme, intenso e dedicado. Um desafio que nos impunha combater e vencer - e vencemos - enquanto Portugal soube manter uma Decisão clara, uma Vontade Política fundada no Interesse Nacional e uma Determinação consequente em enfrentar os inimigos internos e todas as manobras abertamente hostis dos grandes blocos imperialistas.
É nesse enquadramento que o Tenente-Coronel Piloto Aviador reformado BrandãoFerreira, hoje instrutor na aviação civil, vai apresentar o seu último livro. A sessão realizar-se-á dia 28 de Outubro, Quarta-Feira, pelas 18h, na Academia Militar - entrada pela Rua Gomes Freire. E o respectivo convite está aqui.
Devemos dizer que Brandão Ferreira é um autor realmente dissidente, um verdadeiro militar que sempre defendeu Portugal, a justiça da causa portuguesa, a necessidade de resistir e vencer essa guerra que nos foi imposta e a dignidade dos nossos combatentes. Assumiu desde sempre e publicamente com Honra essa missão difícil onde quer que fosse necessário, numa atitude muito firme de Fidelidade a Portugal e ao seu Juramento de Bandeira. E sob uma preocupação permanente de Serviço do Conhecimento e da Verdade que sempre fez prevalecer sobre todos os factores emocionais, bem expressa nas 600 páginas de Em Nome da Pátria.
É assim natural que lhe queiramos oferecer a nossa solidariedade de portugueses conscientes, determinados a lutar para que a Verdade triunfe e que seja feita justiça ao melhor das nossas últimas gerações. Tal como eles deram, queiramos nós dar tudo para que Portugal continue.
VL

Etiquetas: ,

4 Comentários:

Blogger José said...

Quero deixar uma mensagem de solidariedade ao Ten.Cor. Brandão Ferreira, pois Portugal que quiser sobreviver precisará de muitos Homens e Mulheres iguais a ele.
Tem o meu incondicional apoio. Sou português, natural da província ultramarina de Angola, Comando por opção e Nacionalista por convicção!

Um abraço,

José Mendonça Tlm:936 571 443

11:38 da manhã  
Blogger Euro-Ultramarino said...

Muito obrigado pela informação. Que a verdade venha ao de cima. Toda honra e toda glória aos combatentes de Portugal!

5:08 da tarde  
Blogger José said...

Meus amigos, apenas me apetece dizer que Angola está a precisar de um Salvador Correia de Sá; Moçambique de um Mouzinho de Albuquerque; a Guiné de um Teixeira Pinto e Óbviamente... Portugal, precisa urgentemente de um D.JoãoII!!!!
Viva Portugal Universal!

José Mendonça

2:35 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

http://www.peticao.com.pt/ponte-salazar

11:59 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home