domingo, agosto 31, 2008

A dura realidade

Esta semana, nos arredores de Roma, um casal de turistas holandeses que fazia campismo selvagem foi assaltado por dois romenos. Os turistas foram roubados e espancados brutalmente, e a mulher foi violada, tendo sido internada num hospital em estado muito grave. Poucas horas depois, os romenos, imigrantes ilegais que trabalhavam ilegalmente como pastores, foram presos ainda na posse do dinheiro e dos objectos furtados. Esperam agora para ser deportados, ao abrigo das novas medidas que o governo italiano tomou para combater a criminalidade cometida por imigrantes ilegais, e que a esquerda contesta com os habituais argumentos "humanistas". O problema é que a realidade tem uma maneira muito sua, muito dura, de contradizer as piedades e os choradinhos "humanistas".

6 Comentários:

Anonymous LUSITANO said...

Calma, roubaram, bateram, violaram e agora estão à espera de serem deportados?
Aonde é que é esse lugar, isso é um paraíso, vou já para lá.
Pois é, muitos contentam-se com isso, eu não, primeiro se eram pastores ilegais começava por tratar quem lhes tinha dado emprego sendo ilegais, no mínimo 5 anos de trabalhos forçados para aprender a proceder dentro da Lei, depois os tais "pastores", eram de imediato castrados, uma vez que cometeram uma violação, crime dos mais horríveis que se podem praticar, a seguir 20 anos a partir pedra vestidos com um pijaminha às riscas, e depois chuto no cu, caso ainda estivessem neste Mundo,isso é que era Justiça, não é pô-los a andar, isso é uma forma de incentivo para este género de criminosos, que cometem, crimes e depois são postos fora, sem sofrerem penas pesadas.
Ppor acaso algum de vós já falou com alguma mulher que tivesse sido violada?
Eu, já e sabem o que é que eu tive pela frente, um farrapo, uma pessoa que apesar de ter sofrido esse crime há muitos anos, estava completamente transtornada, com a visão da vida toda distorcida, e tenho pena que nestes casos, os tais "clubes feministas" não tenham uma atitude coerente, venham para a rua e exijam justiça,
claro que é preciso destacar as violações reais das "inventadas", mas num caso destes, certamente a turista holandesa com certeza que não inventou nada, por isso não há apelos nem agraves, solução radical.
mas isto sou eu a pensar, que defendo que as vítimas é que tem direitos não os agressores, como parece infelizmente estar a tornar-se moda nesta sociedade dita avançada.
Cumprimentos.

LUSITANO

4:17 da tarde  
Anonymous Observatorio dos pastorinhos said...

A conclusão de que os agressores serão simplesmente deportados é quase de certeza apressada:
http://www.iht.com/articles/2008/08/25/europe/italy.php

Parece normal que sejam julgados em Itália, ou pelo menos que só sejam deportados com a garantia de julgamento ou cumprimento de pena no seu país de origem. De qualquer modo, o caso, juntamente com outros similares, está na origem de novas diligências - dificilmente criticáveis -- para facilitar a deportação genérica de ilegais.

10:45 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

romenos?!

hummmm....
ou "romenos"?!

:o)

11:22 da tarde  
Anonymous zé paulo said...

Segundo as novas medidas do governo do Berlusconi, o castigo para os prevaricadores pode ser concretizado no seu lugar de origem, apòs terem sido deportados, se houver acordos para esse efeito, do governo italiano com os daqueles de onde vieram os ilegais.

9:30 da manhã  
Anonymous LUSITANO said...

"Passarinho fora da gaiola, soprem-lhe nas patas", mas brincamos?
Quem é que vai garantir a justa penalização desses criminosos no seu país de origem, para além de que isso é um incentivo a que estrangeiros pratiquem crimes fora do seu país, ainda para mais se a Justiça lá praticada for de vão-de-escada.
Não meus amigos, aonde se praticou o crime é que se deve pagar a pena, daí, que, partir pedra seja um castigo à altura.
Assim fosse e iam ver com os crimes baixavam logo.

LUSITANO

4:53 da tarde  
Anonymous Homem Justo said...

Eu concordo com o lusitano. Isto tem de ter um fim. Se as penas fossem mais severas e os juizes mais rigorosos, a criminalidade tinha diminuido de forma muito significativa.
Eu depois queria perguntar ao Lusitano se está a favor da pena de morte. Eu, pessoalmente, estou. Sabe porque? Porque certas pessoas inocentes q nao fizeram mal a ninguém e q tiveram azar pagam com a vida. E certas pessoas q tiram a vida a outras, tem comida paga na prisão e nem pagam impostos. Para mim, a lei nao está escrita assim, mas podia muito bem escrever assim, pk na prática é assim q ela funciona: " Quem matar não tem pena de morte em circunstancia alguma" " Quem tiver azar de se encontrar com uma dessas pessoas,e até pode ser muito boa pessoa, paga com a pena capital e não há nada a fazer" Isto é de um Estdo Justo, que luta pela Justiça de forma hipócrita? Portanto, para mim, em casos extremos é olho por olho, dente por dente. Nesse ponto, concordo consigo Lusitano. Já em relação aos regimes politicos nem tanto, mas o assunto é outro agora.
Ora, o caso especifico tem de ser olho por olho, dente por dente. Porque a violação deixa muitas mazelas numa mulher, e se calhar pa toda a vida. Era bom q estes aprendessem a sofrer para depois não fazer sofrer terceiros. Mas o q se faz? Dá-se-lhes impunidade perante a Justiça e confiança para repetir estes comportamentos outra vez.Aqui em Portugal, há o sistema, onde a classe superior e de elite nunca é atingida e onde as pessoas ditas normais pagam a factura. Não tenho dúvidas q há falsidade e corrupção nos mais altos postos do pais.E depois estes politicos vem com o discurso humanista. Humanidade é para quem é humano não para quem é um monstro. Essas pessoas falam em humanismo, mas se acontecesse a um deles queria ver. Isto é uma hipocrisia. Da mesma forma, que quando os politicos dizem q querem ajudar os pobres, mas estão sempre a conviver e a almoçar com os ricos e nunca querem nada com os mais pobres.
O poder é dos mais ricos e quem for pobre chucha no dedo, neste sistema.

10:21 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home